Why Nostr?What is Njump?
Ricardo de Carvalho /
npub1h8s…j4ps
2023-10-13 23:54:29

Ricardo de Carvalho on Nostr: Saí de todas as redes sociais tóxicas por vários motivos, um deles foi pra fugir ...

Saí de todas as redes sociais tóxicas por vários motivos, um deles foi pra fugir do modo como essas redes mexem com as emoções e criam ansiedade e dependência.

Mas nelas vivi intensamente o período que vai da Grande Micareta de Junho de 2013 até semana passada quando, creio eu, a direita começou a se recuperar da queda do Jair. Vários fatos simbólicos me apontam para essa nova virada, alguns não ligados a questões políticas (como o congresso enfim tentando reverter leis criadas pelo STF, ou o Lula sendo forçado pela oposição a chamar o Hamas de terrorista), mas besteiras que vinham dando tração no Twitter: a simpatia do público pela Rachel Sherehezade em seu embate com uma funkeira num reality show, ou o Negão da NGB mostrando que o mundo legitimado pelo Esquenta nas favelas é medonho.

Mas sim, nem é disso que quero falar.

Agorinha conversei com uma mestranda de Estudos Culturais para uma pesquisa dela acerca do papel do humor na ascensão do bolsonarismo, e falamos sobre os memes. Fiz uma articulação que venho pensando desde que essas figuras me fascinaram ali por volta de 2007, quando cursei Desenho Industrial. Então, os memes me instigavam por causa da questão semiótica, e também porque seus criadores puseram em prática um ideal de criação coletiva e anônima que, nesse tempo, era proposto por um pessoal da esquerda. Eu via um potencial artístico interessante ali.

Mas depois disso a sua evolução foi estranha, e eu a acompanhei passo a passo enquanto virava à direita.

Só que falei com ela apenas da parte histórica, que também não é pensada bem aqui no Brasil. De como ideias transmitidas em livros de esquerda anarquista da Coleção Baderna (Luther Blissett é o nome mais óbvio, mas dá para citar o Hakim Bey também) deram a teoria e a estratégia para a criação e disseminação de "fake news", não sem antes aparecerem nos experimentos de recriação do real através da arte, levados a cabo pelos próprios esquerdistas (penso no Fora do Eixo e nas intervenções urbanas, por exemplo). Do papel da magia do caos na figura do Kek, deus-sapo que pôs Trump na presidência (o que houve aqui no Brasil foi o Movimento 108 tentando matar Jair com sigilos). Da virada nos chans do predomínio da esquerda Anonymous para a direita incel. Da Jornada do Herói como fórmula que pegou o imaginário de filmes como Matrix, Psicopata Americano, Clube da Luta, Joker, a obra toda do Zack Snyder e o ciclo da UCM e, de um lado, deu símbolos para a direita incel redpill no 4chan, enquanto que do outro lado, no Tumblr, a mesma fórmula da Jornada gerou um imaginário woke feminista e trans, mas com os símbolos da série Harry Potter (antes, claro, da autora da série ser cancelada pelos seus filhos). Como estéticas que surgiram contra o capitalismo (Glauber Rocha e vaporwave) apareciam em vídeos do Brasileirinhos em favor de um presidente liberal.

Digo isso porque, conversando com ela, me deu vontade de finalizar um projeto que abandonei no começo do ano, de descrever o circuito simbólico disparado pela festa de posse do Lula III, no dia 01 de janeiro, como um ritual mágico (que chamei então de Ritual Cosmogônico de Refundação do Brasil) que precipitou os acontecimentos do dia 08 seguinte (a tal Festa da Selma). E tudo isso tem a ver com o que conversei com ela.

Então, vou pensar nisso, em retomar esse projeto, sempre presumindo macumba como se não houvesse um amanhã.
Author Public Key
npub1h8spmtw9m2huyv6v2j2qd5zv956z2zdugl6mgx02f2upffwpm3nqv0j4ps